Atendimento Pediátrico

A Pediatria é a especialidade médica dedicada à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspectos, sejam eles preventivos ou curativos.

Os aspectos preventivos envolvem ações como aleitamento materno, imunizações (vacinas), prevenção de acidentes, além do acompanhamento e das orientações necessárias a um crescimento e desenvolvimento saudáveis (puericultura). Já os curativos correspondem aos diversos procedimentos e tratamentos das mais diversas doenças exclusivas ou não da criança e adolescentes.

Puericultura
o cuidado dos 0 aos 2 anos

A Puericultura baseia-se no desabrochar harmonioso de todas as capacidades humanas que serão a base para um adulto orgânica e emocionalmente sadio. É o cuidado com o início de uma biografia (bio=vida; grafia=escrita).

 

A puericultura é a especialidade da Pediatria que se preocupa com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança. É de fundamental importância, uma vez que é por meio dela que o pediatra tem condições de detectar precocemente os mais diferentes distúrbios das áreas do crescimento estatural, da nutrição e do desenvolvimento neuropsicomotor. A detecção precoce dos distúrbios é essencial para seu tratamento, uma vez que, quanto mais cedo se iniciarem as medidas adequadas, menos seqüelas haverão e melhor será o prognóstico do quadro clínico. Além disso, o pediatra pode prevenir uma série de problemas, fornecendo adequada supervisão higiênica, dietética e nutricional.

 

    O ideal é que, durante o primeiro ano de vida, a criança seja consultada pelo menos uma vez por mês e, depois disto, a cada dois meses, até os dois anos de vida. Se até esta idade tudo correr bem, um acompanhamento posterior a cada três meses será suficiente.

 

Muito mais do que um cuidado, a puericultura é investimento que os pais podem fazer na saúde da criança, prevenindo e detectando precocemente patologias que podem ter profundas repercussões negativas.

Adolescência

A adolescência é um período especial da vida, em que ocorrem muitas mudanças, tanto do ponto de vista físico quanto emocional. É a fase de transição da infância para a idade adulta, quando o corpo começa suas transformações e inicia-se a busca pela identidade adulta e independência. 

Muitas destas  questões podem ser auxiliadas com a Homeopatia e Terapias ampliadas.

 

Homeopatia

O QUE É ?

Homeopatia é uma palavra de origem grega que significa Doença ou Sofrimento Semelhante. É um método científico para tratamento e prevenção de doenças agudas e crônicas, onde a cura dá-se através de medicamentos não agressivos que estimulam o organismo a reagir, fortalecendo seus mecanismos de defesa naturais.

 

A cura, proposta pela homeopatia, vem de dentro para fora, já que o remédio homeopático contém uma dose infinitesimal da própria doença. Entende-se que o semelhante cura o semelhante.

 

Os medicamentos homeopáticos atuam reequilibrando a energia vital dos seres vivos, ou seja, a energia responsável pela manutenção da vida e da harmonia das funções fisiológicas do organismo.

 

 

 

 

A homeopatia usa os princípios curativos das substâncias venenosas sem causar mal ao paciente. Como surgiu Foi criada e desenvolvida há duzentos anos pelo médico alemão Christian Friedrich Samuel Hahnemann, que se formou aos 24 anos.

 

 

Acompanhamento
à Gestantes
preparando seu filho

A gestação de um filho deveria ser considerada por todos como o momento mais sagrado e sublime de uma mulher. Conceber uma criança, ficar grávida, dar à luz e maternidade são processos que fazem parte da vida sexual e espiritual da mulher, fundamentando-se na manifestação natural e ininterrupta de de uma série de acontecimentos fisiológicos.

 

Na gravidez a tendência geral do organismo é melhorar a saúde e vitalidade, sendo uma oportunidade única para a mulher explorar seu próprio corpo.

 

“Estamos agora iniciando a descoberta dos efeitos destrutivos, algumas vezes de longa duração, na relação entre mãe, seu bebê e sua família, de se tratar as parturientes simplesmente como se fossem contêineres que precisam ser esvaziadas dos seus conteúdos e de se concentrar a atenção em um bando de músculos e em um canal de parto, no lugar de tratar e cuidar da pessoa dentro da qual o útero e a vagina estão contidos(...). O modo como nossas mulheres dão à luz é importante para todos nós pois tem tudo a ver com o tipo de sociedade dentro da qual queremos viver, a importância da chegada de um novo ser e o surgimento de uma nova família.” (Sheila Kitzinger)

 

 

 

 

 

 

O processo de gravidez altera profundamente os fatores biológicos, psicológicos e emocionais da mulher.

 

E hoje em dia, através da MEDICINA FUNCIONAL, HOMEOPATIA, e MED. ANTROPOSÓFICA as futuras mamães podem obter  o melhor para um melhor CRESCIMENTO e DESENVOLVIMENTO  FISÍCO, INTELECTUAL  E EMOCIONAL dos pequenos.

Prática Médica Antroposófica

O QUE É ?

A Medicina Antroposófica é uma ampliação da medicina acadêmica que busca compreender e tratar o ser humano considerando sua relação com a natureza, sua vida emocional e sua individualidade.

 

Surgida na Europa, a medicina antroposófica foi formulada com base na imagem do homem trazida pela antroposofia (ou ciência espiritual) do filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925). Trata-se de uma linha de pensamento que tem como objetivo promover o autoconhecimento humano integrado com a natureza.

  

A Medicina Antroposófica é praticada em 80 países, nos cinco continentes. Na Europa é conhecida desde 1920, como komplementärmedizin (medicina complementar ou integrativa ou simplesmente  ampliação da arte de curar), atendendo em grandes hospitais e serviços públicos, junto com a “medicina acadêmica”. É reconhecida na Alemanha, Suíça, Inglaterra, etc. O Seguro de Saúde estatal alemão (Versicherung) reembolsa todos os custos. As Universidades suíças de Basel e Bern reconhecem, nos cursos de graduação em medicina, estágios realizados em hospitais antroposóficos. Na Fac. de Medicina Antroposófica de  Witten-Herdecke (Alemanha), seu hospital universitário contém 494 leitos. Com base no número de receitas, estima-se que existem mais de 30.000 médicos espalhados pelo mundo.

 

No Brasil é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) como "prática médica" (Parecer 21/93), sendo praticada em consultórios, clínicas e no SUS (desde 1994, em BH). Está em fase de construção o Hospital Antroposófico de Matias Barbosa (HAMB), o primeiro das Américas, onde alberga o Ambulatório das Práticas Integrativas e Complementares (APICS). A Fac. de Medicina Suprema de Juiz de Fora (MG) reconhece o estágio eletivo nos hospitais antroposóficos europeus ou no HAMB/APICS dentro do curso de graduação da medicina. O Ministério da Saúde aprovou a Portaria MS 1600, que considera como “observatório” a aplicação da Medicina Antroposófica no SUS. Integra a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS. A ANVISA reconhece, através da Resolução RDC 26/07, o “remédio antroposófico”. E o Conselho Federal de Farmácia (CFF) aprovou a Resolução 465/07 que reconhece a Farmácia Antroposófica. No Brasil conta com mais de 400 médicos.